Translate

quarta-feira, 9 de julho de 2014

A Adivinhação Indiana


Oráculo Gyan Chapaud - (Jogo do Conhecimento)                     Índia

Que textos de adivinhação são estes que, escritos em dialectos regionais, pressupõem o destino e a profecia de quem sobre eles acorre? Havendo outros vários oráculos, desde o tabuleiro de Gyan Chapaud aos de folhas palmeira, que verdade haverá nestes em origem e significado sob alçada das muitas bibliotecas indianas?

O Oráculo Indiano de Folhas de Palmeira
Uma forma particular de adivinhação praticada há séculos na Índia tem-se transformado recentemente em atracção turística para as pessoas interessadas em assuntos esotéricos. Ao que parece, o destino de milhares de pessoas está escrito nas inúmeras folhas de palmeira muito antigas, guardadas em bibliotecas espalhadas po todo o sub-continente.

Registos dos Rishis?
Segundo a lenda, as bibliotecas contêm cópias dos registos reunidos por Sete Sábios (Rishis) há cinco mil anos. Considerados videntes tão importantes como os profetas bíblicos, os deuses revelaram-lhe os Vedas, os textos sagrados. Mas diz-se que os Rishis também deixaram registos relativos aos acontecimentos da vida de inúmeras pessoas de todas as épocas e culturas.
Segundo a lenda, nas folhas de palmeira encontram-se registadas cerca de 80 mil biografias de homens e mulheres, que numa ou noutra altura de uma das suas existências terrenas hão-de encontrar o caminho até a uma das bibliotecas.

Bibliotecas de textos de Adivinhação
Quem entra numa biblioteca de folhas de palmeira começa por ser submetido a um ritual de purificação. Uma impressão digital e a data do nascimento são, supostamente, as únicas indicações necessárias para se saber se existem na biblioteca registos disponíveis. Se forem encontrados, são recitados por um iniciado, o leitor de «Nadi». Como as folhas de palmeira estão normalmente escritas na linguagem poética de dialectos regionais muitas vezes já caídos em desuso - sobretudo tâmil antigo - é necessária a presença de um intérprete que traduza a exposição do leitor de Nadi.
Os relatos transmitidos pela comunicação social sobre as profecias - espantosamente correctas - das folhas de palmeira, proporcionaram às bibliotecas uma grande clientela vinda do Ocidente. Diz-se que, existem registos exactos dos nomes próprios do interessado e seus parentes, de acontecimentos familiares e profissionais, de ocorrências importantes na sua vida, doenças, etc.

Origem Desconhecida
A razão da construção destas bibliotecas e, o lugar que ocuparam no passado, são questões ainda não esclarecidas. Em qualquer caso, as folhas de palmeira não são muito antigas, pois é necessário copiá-las à mão de tantas em tantas décadas - dado que o material não dura eternamente.
A origem e o significado destas curiosas colectâneas de textos merecem certamente uma análise histórico-cultural.

Oráculo Decepcionante
As informações correctas sobre as pessoas parecem limitar-se a, umas poucas ocorrências. Na maioria dos casos, os guardiões das bibliotecas de folhas de palmeira aproveitam-se com esperteza da credulidade dos visitantes. E ajuda-os muito o facto de, os turistas ocidentais, não poderem nem ler os textos nem compreender a língua na qual estão escritos.
Normalmente, o leitor de Nadi começa por perguntar os nomes dos pais e sonda alguns aspectos profissionais e desenvolvimentos pessoais, alegando que são informações de que necessita para localizar o maço correcto de folhas de palmeira. Depois de procurar muito, exibe por fim as folhas de palmeira «correctas» que lê em voz alta e, onde inclui as informações que obteve previamente. Esta intrijice é, sem dúvida, um bom negócio, pois alguns leitores de Nadi pedem quase sempre cem dólares americanos (ou mais!) por um oráculo que, em média, custa apenas entre dez a vinte dólares!

Se acaso for em visita à Índia e assim se determinar em procurar saber do seu destino em profecias de folha de palmeira - em leitura de Nadi - terá de se precaver antes para não ser ultrajado. Contudo, haverá certamente quem faça estas leituras com mais aprumo e rigor - em honestidade pontual - nas muitas bibliotecas havidas para o efeito. A questão que aqui se coloca é, de onde é originária esta sequência de textos escritos em dialectos regionais que, ao longo dos séculos se propagou e fez instaurar, em todos os que os procuram na sabedoria e essências futuras sobre si próprios? E que, verdade haverá nestes? Será efectivamente real - mesmo que os leitores de Nadi os deturpem depois - toda a consistência nestes textos, sobre acontecimentos futuros de homens e mulheres neste mundo? E assim sendo, que deuses ou seres magnânimos em visões proféticas ou de futuro a praticar pelos humanos, terão assim deixado em registo sob folhas de palmeiras ou similares texturas para que fossem admitidos na posteridade dos tempos?
São muitas questões que, como já muitos cientistas determinaram, ainda sem resposta. Seja como for, aqui fica esse registo e esta amostragem de uma adivinhação indiana que a todos impulsiona; mais que não seja, por vias de uma curiosidade ou visita guiada a tais bibliotecas na profunda Índia!
A bem de todo um maior conhecimento - seja em tabuleiros de oráculos Gyan Chapaud, de folhas de palmeira ou outros - o certo é que, o nosso destino, há muito que estará gravado no «segredo dos deuses»...ou não. A bem da cultura e da Humanidade, o nosso destino assim possa continuar a fazer-se cumprir em cada um de nós! Assim seja então!