Translate

sábado, 21 de dezembro de 2013

A Glória dos Anjos


 

Serão os Anjos, mitos do nosso imaginário, seres divinos que nos visitam nos sonhos ou somente seres de luz vindos do Espaço?

As Visões de Anjos
Os Anjos podem ser considerados um dos maiores mistérios da História Mundial. São-nos apresentados desde cedo na Bíblia, estão organizados em diversas hierarquias e possuem diferentes atribuições.
Existem relatos de testemunhas oculares que afirmam ter visto Anjos. As visões de Anjos mais conhecidas aparecem descritas - sobretudo - no Antigo e no Novo Testamento dos cristãos mas também no Islão há relatos de encontros com Anjos.

Figuras Celestiais
Desde os encontros com Anjos que surgem narrados na Bíblia - por exemplo, o do Arcanjo Gabriel com a Virgem Maria - que lhe anuncia a concepção e o nascimento de Jesus, os seres celestiais passaram a fazer parte integrante da fé das religiões cristãs. De acordo com a concepção destas religiões, os anjos são seres espirituais sem existência corpórea, criados por Deus para, entre outras coisas, lhe servirem de portadores de mensagens dirigidas aos humanos. A maneira mais comum de representar Anjos, é através de seres alados, muito embora os Anjos também surjam representados sob outras formas.
Testemunhas oculares relatam encontros de natureza muito diversa - ao que parece, os mensageiros de Deus adoptam o aspecto que melhor lhes convier: têm sido visto Anjos em sonhos, em visões, assumindo o aspecto exterior e o rosto de pessoas já falecidas ou mesmo, como seres etéreos vestidos de branco e dos quais emana luz. Por vezes também aparecem e se apresentam como pessoas perfeitamente normais.

Mensageiros Cristãos
Nos livros bíblicos, nunca os Anjos são mencionados em associação a uma manifestação de Deus, no entanto os profetas e os Evangelistas, descrevem frequentemente o seu aparecimento.
A partir destes textos, os teólogos foram ao longo dos tempos desenvolvendo uma teoria sistemática dos Anjos, a Angelologia. Uma das conclusões a que este estudo chegou, é que os Anjos existem apenas em religiões monoteístas, nas quais se organizam numa determinada hierarquia.
Uma primeira organização hierárquica dos Anjos foi proposta por um certo Dionísio Areopagita, cerca de 500 anos após a morte de Cristo. Dividiu-os em diversos grupos, de acordo com a proximidade que têm de Deus.

Querubins e Serafins
Os mais próximos do Criador são os «Querubins» e os «Serafins». De acordo com Dionísio Areopagita, compõem-se de luz em estado puro que pode condensar-se em matéria.
Os Querubins são mencionados na História da Criação como sendo os guardiães do Paraíso. Uma descrição mais pormenorizada desses guardiães é fornecida pelo livro de Ezequiel, do Antigo Testamento: "E cada um tinha quatro faces: a face do primeiro era a face de Querubim; a face do segundo, uma face humana; o terceiro tinha face de leão; e o quarto, face de águia" (Ezequiel 10, 14 e seguintes).
Ezequiel descreve de seguida que, cada Querubim, para além das quatro faces, possui também quatro asas. Sob as asas encontrava-se algo que se assemelhava a mãos humanas. O profeta Isaías teve a honra de ver os Serafins divinos. Na hierarquia celeste, estes encontram-se ainda acima dos Querubins, uma vez que estão ainda mais próximos do trono de Deus. O seu papel consiste em louvar a Deus. O seu canto de louvor ressoa a todo o momento na esfera celeste. É do seguinte modo que Isaías descreve os Serafins: "Cada um tinha seis asas. Com duas asas cobriam o rosto, com duas asas cobriam o corpo, com duas asas voavam. E clamavam uns para os outros: "Santo, Santo, Santo é o Senhor do Universo, toda a Terra está cheia da sua Glória!" (Isaías 6, 2 e seguintes).

Os Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael
Miguel, quer dizer em hebraico: «quem é como Deus», sendo este também considerado o mais poderoso dos três Arcanjos. No livro de Daniel é profetizado que, Miguel descerá à Terra, quando a destruição desta estiver iminente.
Gabriel, é o mensageiro entre os Arcanjos. Foi ele que anunciou a Maria a chegada do Filho de Deus, Jesus. É no entanto também conhecido dos cristãos, pela sua faceta de combatente. É particularmente temido na medida em que, é ele quem - com implacável dureza - efectua as punições aplicadas por Deus aos homens indignos.
O mais brando entre os Arcanjos é Rafael. O seu nome significa em hebraico: «a cura de Deus»; e é representado como alguém suave e bondoso. Diz-se que Rafael erra pela Terra de sandálias e, de cajado em punho a espalhar a palavra de Deus.

Anjos e Arcanjos, Querubins e Serafins, todos eles em comunhão e anunciação na Terra de algo muito magnificente por mão do seu superior, Senhor e Criador do mundo: Deus. Seis asas possuem eles, seis elementos supostamente as siglas por que a Terra se rege, concluo eu: «água, terra, ar, fogo e...(Terra e Céu?) ou algo ainda mais místico, mais exuberantemente digno destes seres de luz, seres divinos, seres do Universo? Compõem a Terra-Mãe em planeta azul que se autentica numa forma hexagonal e não taxativamente circular ou redonda como até aqui percepcionávamos numa dimensão restrita e científica do que nos era dado estabelecer em estudos feitos. A NASA prontificou-o há pouco e a nós, só nos cabe retê-lo em memória e sapiência multidisciplinar do que fazemos agora em nosso maior proveito de pesquisa e autenticidade. Será coincidência este número seis (6) em asas de capa de rosto, corpo e voo com a sintonia ou mais exactamente simbologia terrestre nos seus desígnios geográficos, matemáticos e em certa medida extra-galácticos na visão exterior de um planeta Terra no seu todo? Poder-se-à extrapolar esta similitude em consistência, investigação e divulgação, ou será apenas e de novo, um outro mito criado por tantos de nós que só querem abranger o leque (ou as asas...) de um maior conhecimento, tanto em fé como em ciência? Pensemos nisso. Afinal, todos temos um Anjo perto de nós...ou gostamos de acreditar que assim seja. Eu acredito e só por isso, já me sinto mais feliz. Que assim possa ser então, se isso nos reportar felicidade, pois só isso importa. Assim seja!