Translate

terça-feira, 2 de maio de 2017

A Humanidade (III)

Resultado de imagem para homem e mulher
Mulher/Homem. O que se pode divagar e a imaginação recriar, no que vulgarmente conhecemos ou reconhecemos em pólos opostos e, a neurociência nos explica, dessa diferenciação de género. «Eu, Tarzan, tu Jane» há muito que está extinto; ou nem tanto assim...

«De todos os infortúnios que afligem a Humanidade, o mais amargo é que temos de ter consciência de muito e controle de nada.»
                                                          - Heródoto - Geógrafo, Historiador/Pensador (do século V a.C.)

Porque somos diferentes? Porque queremos ser iguais se não soubermos que é nessa diferença de sexo/género, como agora se diz, que está toda a beleza na perfeição ou imperfeição de todos os seres?

Porque admoestamos, ignoramos ou até ostracizamos quem nos é diferente, inferior ou superior, distinto ou ignorado, emproado e legitimado, por outros que nos são completamente indiferentes, desafectos ou simplesmente inexistentes?

Porque somos tão irracionais, selvagens e, até, desordeiramente primitivos na condição mais primordial da nossa génese em atitudes e hábitos comportamentais - tão indignos quanto lastimosos - de um ser que se diz inteligente deste grande grupo que se chama Humanidade?!

Por que razão somos, afinal, tão pouco tolerantes e, irascíveis, com quem não segue as regras que nós seguimos, os pensamentos que havemos ou, a ambição futura de sermos mais e melhores à semelhança de quem nos criou...? Porque somos tão distantes uns dos outros???

Será assim tão difícil destrinçar, saber e acolher o que nos faz feliz...? E sabê-lo-emos espalhar com a convicção certa de não ser uma pandemia viral (ainda mais horrífica que todas as guerras, todas as punições), mas um bem que todos temos de receber...? Pensem nisso; a sério.

Imagem relacionada
O Pior Buraco Negro da relação humana entre homem e mulher: A inevitabilidade do confronto, da incompreensão e da total ausência de afectos ou, humildade, para se pedir perdão; esse vil buraco negro da solidão e do isolamento, por onde se entra e não se sabe se alguma vez de lá se sairá.

A interacção cortada, a singularidade do mesmo - inclemente e desenfreada - levando-nos ao auspício cósmico de uma guerra sem fronteiras ou limites (no que a violência doméstica é rainha) no que jamais se encontrará o retorno, a feliz saída que Einstein repercutia à semelhança do grande sugador do Cosmos...

A Eterna Guerra dos Sexos/Género
Quem nos criou à sua imagem e semelhança ou longe disso, segundo Alex Collier (conferencista norte-americano que tem propagado a tese da existência de seres extraterrestres mais evoluídos que o Homem), que assume que os homens e mulheres da Terra foram, são - e continuarão a ser - um produto de manipulação genética realizada por extraterrestres além os tempos.

Pela vertente cristã - na eterna assumpção divina - a óptica é outra: algo que nos designa como descendentes de Adão e Eva, resultados de uma geração primordial espontânea, pensados e criados por Deus Todo-Poderoso.

E, compreendendo de antemão um Adão furioso por lhe terem sacado uma costela para dar vida a Eva (e esta também não se contentar, por carregar vida fora esse apêndice emprestado do Adão inicial sem que esta lha tenha devolvido, ao que se sabe...), há ainda a existência explicativa científica de termos sido evoluídos «naturalmente» há cerca de 200 mil anos com Adão (origem da variabilidade do ADN do cromossoma Y do homem moderno) e Eva em África (origem do ADN mitocondrial da humanidade moderna).

Mas o mundo mudou. E muito. Existem muitas outras teorias que advogam argumentada e exaustivamente que, tenha havido de facto seres inteligentes do Cosmos que implantaram vida na Terra (assim como noutras esferas estelares do Universo) no que, novamente Collier (emissor na Terra em contactos extraterrestres de Andrómeda), o Homo sapiens e todos os humanos daí descendentes ou daí provenientes exibem uma herança genética, sendo o seu código de ADN semelhante a um «Banco» de muitas memórias raciais diferentes que podem chegar a combinar elementos oriundos de 22 raças extraterrestres diferentes; ou seja, uma multiplicidade, simbiose e compleição estelar fraterna de um mesmo núcleo cósmico!

Resultado de imagem para metade homem, metade mulher
Uma imagem surpreendente através da objectiva e fabulosa captação do fotógrafo francês Leland Bobbé, que se não limitou a mostrar a magia da cosmética moderna ou da parcial execução artística de homem/mulher e vice-versa, na percepção de quem observa. Mais do que meros «Drag Queens» na ostentação, há que sintonizar em consciência e racionalidade que somos todos iguais (nos direitos e oportunidades) ainda que diferentes uns dos outros.

Igualdade/Diferença
Não me vou alongar numa orgia científica na explicação que muitos cientistas, em particular neurocientistas, têm apregoado nestes últimos tempos sobre a biodiversidade ou diferença biológica entre os sexos ou géneros, como se assume mais correctamente na designação moderna do que nos faz ser distintos uns dos outros; homens e mulheres da Terra.

Mas há que o registar, de facto. No registo antropológico e mesmo sociológico, as mudanças são evidentes: Somos mesmo diferentes! Existe hoje no mundo moderno - em identificação e transformação - algo que se transpôs a tudo o que se conhecia ou divulgava até hoje: A Transsexualidade.

De facto, este tema da Transsexualidade - condição do indivíduo que possui uma identidade de género oposta ao sexo designado à nascença - tem sido tema de debate e especulação, no Direito Fundamental à sua Identidade - Identidade de Género - sob parâmetros actuais de nova legislação e identificação nestes indivíduos.

É legítimo que assim seja, que assim se efectue e se estabeleça de vez, pois que todos temos direito à felicidade na vivência cordata - e plena - de se estar de bem com o seu corpo, o seu sexo, e a sua cabeça (em pensamento, circunstância e mentalidade) sob uma harmonia total.

Mais fortes do que pensamos e mais fracos do que desejamos, seja física, psíquica ou cognitivamente (mesmo com algumas falhas ou deficiências somos sempre humanos e com uma doçura indescritível tal como se reporta nos seres portadores de trissomia 21, vulgo síndrome de Down que nos enchem o coração e a alma sem precedentes), aos que se julgam superiores de pontificadas inteligências e nada mais são do que meros passageiros do tempo com nomes de ruas, estradas ou universidades, deixando o seu cunho biográfico sim, mas sem registo de maior humanidade...

Como afiro ou afirmo acima, de facto mais fortes do que pensamos e mais débeis do que ambicionamos, os homens e mulheres deste planeta Terra, são ainda um enigma intransponível (ou não totalmente explicável) na igualdade ou na diferença.

Aplica-nos uma maior consciência do que nos une ou nos afasta. E mesmo que a Neurociência já muito nos explique sobre essa diferença de género, em hemisférios cerebrais activos de grandes impulsos eléctricos que se comportam de uma forma e de outra em ambos os casos e se nutra que funcionamos de diferentes formas e acções, práticas e estimulações, seremos sempre distintos uns dos outros, mas iguais nos direitos que nos assistem.

Mais intuitivas (as mulheres), é comum dizer-se que possuem um sexto sentido; nos homens a racionalidade é objectiva, certeira e concisa na prática e na correcção do que há a ser feito.

Razão ou emoção, tudo está afecto ao ser humano, aos homens e mulheres, mesmo que a Ciência nos reproduza que tanto nuns como noutros a essência está lá - de Deus ou dos seres do Universo que nos criaram, tanto faz; apenas nos apraz constatar de que somos uma obra e tanto, por muito que tenhamos ainda de evoluir e fazer por ascender a outras causas, outros conhecimentos ou talvez outras almas!

Resultado de imagem para usain bolt
Usain Bolt: o mais famoso atleta de alta competição (de nacionalidade jamaicana) que demonstra a quase invencibilidade humana ou motricidade máxima na conquista de títulos mundiais ou olimpíadas. Muitos outros se lhe seguem em muitas outras modalidades desportivas, tais como Michael Phelps na natação (chegando a destronar Mark Spitz, com sete medalhas de ouro conseguidas pelo seu compatriota). Estes, os exemplos visíveis da quase-perfeição humana...

A Máquina-Maravilha: o corpo humano!
Há que sublevar que o nosso corpo é talvez a mais magistral obra conceptual de todos os tempos. O maravilhoso mecanismo que possuímos é digno de registo aqui. É até agora, a mais espantosa das máquinas que conhecemos, embora biológica em motricidade e bioquímica; além outras coisas...

Temos hoje a consciência de que não existirá na Terra (já fora desta a coisa é diferente...) de que nenhum engenheiro ou arquitecto poderia conceber ou sequer igualar a suprema realização da natureza: O Corpo Humano!

Sabe-se que os atletas podem correr a 40 quilómetros por hora, arremessar uma bola a quase 160 quilómetros, saltar uma altura superior a 2,10 metros; algo apetecível e não muito distante de ser um objectivo conseguido por parte do «meu» futebolista português Cristiano Ronaldo, que leva adeptos futebolísticos e restante público aos céus em aplauso efusivo, de quando cabeceia uma bola perdida - ou sem direcção certeira - para a baliza. Os feitos destes atletas e jogadores desportivos chegam a ser inumanos... ou mais exactamente, sobre-humanos!

Apesar destes fenómenos desportivos estarem confinados a uns quase-génios, há que referir que mesmo as nossas actividades quotidianas lideradas por todos nós, cidadãos comuns, são accionadas por um sistema que ultrapassa em complexidade e, eficiência, o mais sofisticado dos robôs ou dessa concepção artificial robotizada que o ser humano tenta a cada dia aperfeiçoar à sua imagem...

Resultado de imagem para cristiano ronaldo
Cristiano Ronaldo: o orgulho de todos os portugueses (e dos agora madridistas que o seguem no clube desportivo espanhol, Real Madrid), tendo já atingido os 400 golos marcados neste clube de nuestros hermanos e que devem ter um gozo particular e quase anedótico de o assobiarem - injusta e despoticamente - ao melhor do mundo...) tendo conseguido a proeza de ser o primeiro futebolista a marcar 100 golos (mais 3 em Hat-trick), na Champions). O nosso menino-de-ouro-português!

CR 7: O nosso orgulho em nome de Portugal que até já tem um aeroporto com o seu nome gravado - na ilha da Madeira, seu berço natal - (além de um caricato busto em nada parecido consigo que tem corrido o mundo em jocosa e virulenta mania cibernauta (em fastidiosa navegação do ciberespaço ou facciosa penetração internauta destes novos tempos de escárnio e mal-dizer).

Pessoalmente, e a título individual te consigno: Abençoado sejas, meu querido fazedor de golos, criatura terrestre ou, exo-planetária, combatente/comandante de todas as épocas (mesmo com assobios, pois que os cães ladram e a caravana passa, meu querido Ronaldo), que eu não sou de invejas ou maledicências e gabo-te o mérito todo! Halla Madrid!!!

A força, a pujança física, o garbo e o estatuto de quem sabe lutar e vencer, sendo o primeiro a chegar aos treinos no campo e o último a sair, segundo os seus colegas de profissão. «A sorte dá muito trabalho», alguém disse e assim é. Segundo o pensamento de Darwin, CR 7 seria um dos melhores exemplos da Selecção das Espécies... só vence o melhor!

A Mecânica Humana
Temos por exemplo o Sistema Circulatório no corpo humano: Em cada minuto das nossas vidas o coração recebe e expele 2,25 litros de sangue - 17 litros durante exercícios violentos - ao longo de aproximadamente 96.000 quilómetros de artérias, veias e vasos capilares.

Um Corpo Adulto contém entre 3,5 e 5,5 litros de sangue - uma média de 4,5 litros, contendo 2 triliões de células vermelhas (para transportar o oxigénio) e 3 biliões de células brancas (para combater a doença). Algumas Células Brancas têm um ciclo vital de apenas 12 horas; As Células Vermelhas têm aproximadamente 120 dias de vida.

A superfície total dos Vasos Capilares - estreitos tubos que asseguram a continuidade da corrente sanguínea - cobriria um campo de 6000 metros quadrados. Se todos os capilares estivessem simultaneamente abertos - o que não acontece - todo o sangue do corpo se escoaria para eles em segundos, como água num pântano. Pelo contrário, uma parte do Cérebro - chamada Centro Vasomotor - regula o fluxo de acordo com as necessidades do momento.

Os Pulmões, cujos capilares filtram e purificam a corrente sanguínea através da Respiração (durante um tempo médio de vida respiramos 500 milhões de vezes), necessitam de irrigação constante.
Na Hematologia (ciência que estuda o sangue, no diagnóstico e terapêuticas associadas, ou seja, no tratamento das doenças do sangue e órgãos que intervêm na sua formação - hematologia clínica) sabe-se que o sangue é mais denso do que a água. Mas, na realidade, 95% do nosso corpo são compostos por água - 45 litros de água, o equivalente a 60% do peso médio de um indivíduo.

Um Ser Humano possui em si também um estranho conjunto de outras substâncias: Gordura suficiente para fabricar 7 sabonetes, a quantidade de Cal necessária para caiar uma pequena barraca, o Carvão equivalente a uma saca com 12,5 quilos de coque, o fósforo necessário ao fabrico de 2200 fósforos e tanto Ferro quanto o existente num prego de 2,5 centímetros. E, para concluir, aproximadamente uma colher de sopa de Enxofre e 28 gramas de metais vários, além do Ferro...

Para não maçar o leitor, há que registar «apenas» de que toda esta Máquina Maravilhosa Humana - natural mas complexa (revestida e protegida por um invólucro flexível e impermeável, em 1,8 metros quadrados de pele, gasta e substituída de 5 em 5 dias e, acima desta até 5 milhões de pêlos, cada um dos quais dura cerca de 3 anos), num manancial interno de cerca de 206 ossos, mais de 100 articulações, 96.000 quilómetros de artérias, veias e vasos capilares e 13.000 milhões de células nervosas no seu todo. Um portento de alta engenharia, assume-se!

Imagem relacionada
Homem e Mulher: mais do que atracção sexual, existe o factor amor, algo nem sempre identificável ou explicável cientificamente - cabe-nos a nós descodificá-lo ou simplesmente senti-lo e só isso basta... ou talvez não...

Homens e Mulheres: Procriação ou Prazer?
Desde a Antiguidade ou mais longe ainda, nos tempos iniciais do tal Adão e Eva que assim é: desde que o pecado original foi consumido e abusivamente obliterado do Paraíso em pecado e pena aplicada (por Deus) na expulsão deste Éden terreno. E que alguns teóricos admitem ter existido de facto.

Desde que estes desgraçados e primeiros humanos foram corridos do bem-bom terrestre, que assim é. E, sabendo nós, humanos modernos, que a essência genética (fabricada ou não) a partir deste fabuloso pilar sistémico da nossa civilização - ADN - que tem por base e alicerce um conjunto de instruções (Código da Vida), que se nos coloca a matricial questão adivinhatória de saber da verdadeira origem da Humanidade; e por conseguinte, da elaboração genética cósmica ou divina do Homem e da Mulher; das suas funções e do seu prazer, no fundo, de toda a sua existência como seres humanos que somos e nos identificamos. Mas nada é tão simples assim...

Onde começa a função e acaba o prazer ou vice-versa...? Até onde nos é permitido como seres sencientes que somos, elucubrar e executar tarefas que nos não dão proveito algum ou legitimamente não as desejamos e delas não gostamos, por outras insaciáveis - e talvez intransitáveis - para outros mundos físicos ou outras particularidades planetárias que não as sentidas na nossa amada esfera terrestre. A libido sexual é um elemento a considerar, mas mais haverá certamente.

As hormonas tendo um papel importante e sumariamente já descodificado pelo Homem, tentam (em vão, muitas vezes) confinar-se ao teor científico, no que a emoção de parte apenas observa - e sente - e paulatinamente exorta como a mais magnificente sensação humana de regurgitação de corpo e alma...

Imagem relacionada
A Génese Feminina e Masculina: algo que só a partir do século XX se estudou em pormenor no comportamento entre os sexos/géneros. A diferença é abissal e nós, homens e mulheres, gostamos que assim seja...

Homens e Mulheres: a diferença
Porque somos diferentes...? Porque nos legitimaram assim...? Por que raio somos tão complexos, tão audazes e ao mesmo tempo tão diminutos na presença de quem nos faz frente e nos galanteia ou insulta? Ou pior, nos rouba o coração e por vezes até a alma?!

Charles Darwin publicou a sua teoria da Selecção Sexual em 1871, no livro: «A Descendência do Homem e a Selecção em Relação ao Sexo», defendendo que a extensão de diferenças entre macho e fêmea no seio de uma espécie depende em muito do sistema de acasalamento, não possuindo as monogâmicas quaisquer diferenciações, ao passo que nas poligâmicas são marcadamente distintos.

Porém, foi só em pleno século XX que os investigadores sugeriram que as diferenças de comportamento entre os sexos surgem como consequências de distinções psicológicas fundamentais entre eles. Na essência, as Fêmeas produzem óvulos e os machos esperma (até aqui tudo bem...); todavia, este básico factor biológico está subjacente a toda a gama de características através das quais distinguimos o Feminino e o Masculino.

Essas diferenças comportamentais são, na visão e entendimento dos especialistas, algo de muito simples ou de certa forma tipificado no resultado apresentado de, as Fêmeas fazerem um maior investimento na descendência desde o princípio: os óvulos são maiores, mais nutritivos e, a longo prazo, mais dispendiosos em termos de energia do que o esperma.

Imagem relacionada
A Equidade de Género: um sonho ainda não tornado realidade, em casa, no trabalho ou em qualquer actividade que leve homens e mulheres a verem-se como um todo e não, parte de algo que lhes sobrou ou foi indefectivelmente arrancado à nascença...

Da Pré-História aos tempos actuais...
Para muitos mamíferos, segundos nos relata em obra publicada a autora Nancy Wilmsen Thornhill, em especial os Primatas Superiores - incluindo o Homem - o envolvimento das fêmeas na reprodução implica, no mínimo, a Gravidez, a Gestação, o Parto e o Aleitamento e, em alguns casos, muitos anos de cuidados com os filhos.

No caso dos Machos, pelo contrário, o envolvimento mínimo implica um curto período de tempo e, relativamente, uma pequena quantidade de energia consequente ao acto da cópula e ao processo de produção de esperma.

Como resultado, Homens e Mulheres desenvolveram-se com motivações diferentes: Eles procuravam copular o mais possível e, por esse facto, permitiram-se ser mais promíscuos e menos selectivos, ao passo que elas, para quem as consequências da relação eram maiores e de maior duração, eram menos promíscuas e mais selectivas; algo que ainda hoje se observa ainda que diminuindo essa estatística (consideradas as distâncias do tempo e de uma outra consciência e cultura).

Em virtude de as mulheres serem mais exigentes na escolha dos seus parceiros sexuais, os homens competiam pela oportunidade de se tornarem num desses parceiros e, inevitavelmente, alguns eram escolhidos e outros não, sendo preteridos aos mais robustos, fortes ou guerreiros; facto que teve duas consequências: Uma maior percentagem de homens nunca se reproduziu e alguns tiveram muito mais filhos do que qualquer mulher.

A Divisão Sexual do Trabalho: No começo dos anos 70 (século XX), alguns teóricos da evolução começaram a estudar em pormenor as diferenças de comportamento entre Homens e Mulheres.

A Divisão Sexual do Trabalho era um fenómeno já bem conhecido, em grande parte devido a um estudo publicado pelo antropólogo - G. P. Murdock (em 1949) - que avaliou então os dados etnográficos de 250 sociedades, descobrindo que, na maioria dessas culturas, as mulheres tomam conta das crianças e adquirem grande parte da alimentação através da recolecção e do cultivo, enquanto os homens se ocupam das guerras e da caça.

Será hoje muito diferente, ainda que engrossem as fileiras militares - muitas mulheres que optam pela carreira militar e não civil - grassando aí um voluntarismo igual ao dos homens...?

Estarão as mulheres a competir tal como os homens entre si no mercado de trabalho e, em toda a sociedade activa, sendo que hoje, mais do que nunca, se estima que as mulheres (em memória e capacidade cognitiva ou mental para guardar/arquivar informações) são superiores aos homens?!
Os estudos feitos pela Universidade Cornell, em Ithaca, Nova Iorque (EUA) assim o comprovam, no que o periódico científico divulgou, o «Medical Xpress/Counsel and Heal».

Mas os Homens têm mais potencial ou poder reflectivo, ou seja, de maior precisão nos reflexos, detectando movimentos rápidos, ao contrário das Mulheres que se entusiasmam neurológica e activamente mais pela diferenciação de cores...

Resultado de imagem para homem e mulher
O Desejo Sexual: as diferenças. Em 1978, nos EUA, dois psicólogos - Russell Clarck e Elaine Hatfield  realizaram um estudo sobre o desejo sexual, patente num e noutro género: masculino e feminino. Até agora subestimava-se o desejo sexual sentido pelas mulheres em menor apetência ou vigor quebrantado de estímulo da líbido sexual. Nada tão errado: Afinal nem homens nem mulheres são de Marte ou Vénus; talvez quem sabe, de outras esferas planetárias bem mais excitantes ou exo-revigorantes de aquém ou além a Via Láctea...

Desejo Sexual...
Os resultados concluíram que os dois diferiam drasticamente um do outro na forma como responderam à oferta de sexo casual: nenhuma mulher abordada para este estudo aderiu à maluqueira espontânea de praticar sexo com um desconhecido. 3/4 dos homens fizeram-no (qual a novidade?) e, ostensivamente, em maior número dos que os que se tinham remetido à oferta de um simples encontro... (tudo o que vem à rede é peixe...); mas continuemos...

Nesta lógica da evolução e do melhor arcaboiço seminal masculino em que pelos vistos as fêmeas, neste caso, as mulheres, não deixam nada ao acaso - compondo na perfeição a certeza da melhor compleição genética ou contribuição nesse sentido (em descendência e prole activa a partir deste seu parceiro criteriosamente escolhido por si) - na mais alta qualidade dessa reprodução.

A Mulher prefere qualidade à quantidade: é sabido. E, evidenciado agora, cientificamente. Os impulsos sexuais no Homem e na Mulher são diferentes; nada disso é novidade.

Biologicamente o homem pode conceber através do seu sémen e espermatozóides activos e em franca labuta de ejaculação e acirrada corrida ao óvulo feminino um sem número de vezes; tantas quantas o seu apetite sexual ou estímulo de erecção assim o permitir, mesmo em idade avançada. Já a mulher, mais rigorosa ou exigente/selectiva (uma vez que a menopausa não lhe deixa adiar esses intentos), tendo em conta o melhor parceiro para a sua continuação genética, reduz-se ao mínimo nessa contemplação física de ter mais olhos que barriga e, deixar-se enganar sem retorno.

Implacavelmente focada na Reprodução e na Sobrevivência, a mulher é determinada nos intentos ou objectivos a que se propõe; o homem nos avanços e na entusiástica proliferação seminal, no que assim se disseminou por grande parte da população, ainda que certas e determinadas vezes, a mulher também tenha errado na opção ou escolha pouco acertada, dando maus frutos genéticos... Errar, é humano!

Imagem relacionada
Mais do que uma vivência corporal a dois: a experiência única de outras experiências....

Outros Estudos: outras realidades...
Mais recentemente, dois investigadores na área da sexologia aventaram a possibilidade dos resultados serem outros e, conseguiram-no. A depravação é total; ou então, a sociedade moderna mostra-nos que os valores se inverteram ou se deixaram seduzir por esta coisa do sem-esforço, sem atracção ou sem contenção algumas, no que nem as doenças sexualmente transmissíveis ou gravidezes indesejadas são fronteiras ou opacas simulações de embate para o que aí vem...

Andreas Baranowski e Heiko Hecht replicaram o estudo original de Clarck e Hatfield de décadas atrás e, fazendo luz ou brilho cósmico sobre desejos orgásmicos e fluidos corporais em actos explícitos de uma cópula moderna (ou seja, introduzindo algumas mudanças sobre este mesmo estudo, alargado e tipificado na era actual), os resultados foram dramáticos: 100% dos homens e 97% das mulheres aceitariam fazer sexo com pelo menos um parceiro.

Na estatística apresentada, as mulheres optariam pela escolha de - 3 (homens) ou seja, entre três e abaixo disso e os homens acima de três mulheres em média. Há também a registar sobre estes números e esta nova direcção do estudo que, muito se evoluiu no campo farmacêutico e bio-médico, havendo uma propagação generalizada de um maior conhecimento no uso e abuso até de certos anti-conceptivos, trazendo maior liberdade à mulher.

Mulher esta que, finalmente, colocou um assertivo ponto final na sua longa história humana de sofrer abortos provocados ou ver-se a braços com uma família não-desejada de muitas bocas para comer, abraçar, cuidar e lavar; enfim, o infeliz retrato de ainda há pouco sobre as mulheres e, a sua não-contracepção feminina, além o quase total desconhecimento sobre as doenças sexualmente transmissíveis...

Nos actuais estudos de recentes experiências pode-se então dar a comprovar ao mundo de que, o Desejo Sexual de Homens e Mulheres, é de facto igual; só as circunstâncias é que o determinam ou o factor traumático de uns e de outros já terem sofrido incidentes desse foro (violações, abusos sexuais em criança, etc.) que os possam eventualmente refrear. Tirando esses obstáculos físicos e psíquicos de alta consternação e de largo espectro traumático, como se referiu, nada a registar de uns e de outros nesse desejo sexual.

Segundo a Medical Xpress (Medical Research Advances and Health News) - ou Investigação Médica Avançada de Notícias sobre a Saúde no Mundo e que está disponível online - invoca que, este novo estudo, representa uma nova abordagem ou actualização deveras importante para que se acabe de vez com a velha história (e da velha investigação também), da interpretação dos que definiam diferenças inalteráveis entre Homens e Mulheres.

Hoje, a realidade é outra; se melhor se pior, não nos cabe decidir ou opinar, apenas exortar que, a era moderna apesar de tantos malefícios e contrariedades possui o bem maior de se poder escolher em liberdade os nossos parceiros sexuais, assim como as medidas de prevenção, anti-conceptivas e outras, além o recurso médico e farmacológico em caso de patologias ou doenças sexualmente transmissíveis - como é o caso dos anti-retrovirais (em tratamentos ou terapêuticas utilizando anti-retrovíricos) contra a infecção do HIV/ SIDA (AIDS), a Hepatit B e outras doenças do foro sexual ou que são transmitidas por via sexual.

Resultado de imagem para neurociência, homem e mulher
A Neurociência o que nos informa? Simplesmente que somos mágicos! Segundo os últimos estudos efectuados pelos investigadores da Universidade de Medicina e Ciência de Illinois, nos Estados Unidos da América, a «Rosalind Franklin University of Medicine and Science» realizaram uma meta-análise (na análise de dezenas de outros estudos consubstanciado num só em gigantesca amostragem), onde não encontraram diferenças significativas - nos homens e nas mulheres - dos cérebros humanos.

O que a Neurociência diz...
Apesar de existirem factuais e comprovadas diferenças neurobiológicas já demonstradas por diversos estudos realizados neste sentido, entre homens e mulheres, não se sabe com toda a exactidão possível revelar se, ambos, vêem o mundo de diferentes maneiras; ao que se especula sim, ao que se insta por meios científicos não. Ou seja, uns possuem mais capacidade para determinada função e outros nem tanto, sendo mais exímios na performance de tantas outras coisas que muitos nem apelidam de interessante.

Segundo Israel Abramov, o responsável de um estudo realizado em 2012, por investigadores da Universidade de Nova Iorque, que compararam o campo de visão ocular do homem em relação ao da mulher, e depararam-se com resultados extraordinários: A Diferença entre ambos os Géneros (ou sexos, como queiram, mas no seu todo), fundamenta-se na percepção de cores, espaços e movimentos.

Sem nos alongarmos no sector mais específico deste estudo, há a referir no que Abramov comprovou, de que a diferença não radica na estrutura ocular, senão na quantidade de andrógenos e de receptores no Cérebro - destaca - que são os encarregados do processamento de imagens; ou seja, os andrógenos também são responsáveis por controlar o Desenvolvimento Neuronal no Córtex visual durante a Embriogénese - o que vem então impor que os homens tenham 25% a mais destes neurónios, comparativamente à mulher.

Ainda em relação à última Experiência da Neurociência, objectivamente sobre os Cérebros femininos e masculinos, ou seja, de ambos os géneros, a tomada de posição foi cautelosa inicialmente, pois sabe-se que o cérebro masculino possui uma massa superior ao feminino, sendo este mais generoso em cerca de 11 a 12% (mais volumoso que o do género feminino).

Contudo, Lise Eliot, a responsável deste mais recente estudo neurológico entre ambos os géneros (e professora associada desta universidade de largo crédito e prestígio) afirma que «o Hipocampo, região cerebral responsável por consolidar novas memórias, é verificavelmente maior nas mulheres do que nos homens». Acrescenta ainda: «Há razões comportamentais para se suspeitar de uma diferença no tamanho da amígdala, de acordo com o sexo da pessoa».

«A Emoção, a Empatia, a Agressão e a Excitação Sexual dependem dela, admite Eliot, e a evidência de estudos em animais, sugerindo uma diferença no volume da amígdala são mais fortes do que para o hipocampo. Então esta descoberta é ainda mais surpreendente e sugere que, os Cérebros Humanos, não são tão sexualmente dimórficos quanto os dos ratos, por exemplo.

Segundo Eliot que finaliza dizendo que não existem ainda dados que confirmem a ideia de um cérebro masculino ou feminino:
«Apesar da impressão comum de que homens e mulheres são profundamente diferentes, análises extensas de medidas cerebrais estão a encontrar mais semelhanças do que diferenças.

E pensar que ainda há poucos séculos se julgava o ser feminino, sexo, género e tudo o mais que hoje advogamos denominar e designar em maior profusão e justiça social e humana, um ser quase abjecto, inócuo e sem força anímica ou vontades iguais às do homem. Essa mesma mulher que era reduzida a quase nada, sem direito de voto ou a proclamar-se algo que não estivesse dentro dos seus parâmetros femininos da época. Muito há ainda a fazer certamente, sendo ou não os cérebros e os comportamentos iguais ou diferentes...

Imagem relacionada
A Grande Competição: ou... a grande parvoíce! Não temos de ser competidores; apenas seguidores do que fazemos mais e melhor, uns e outros, sem subestimar o parceiro ou, sobrevalorizar as nossas próprias capacidades - superiores ou não em relação ao outro. Somos diferentes, ponto final. Ou não...

Psicologia Evolutiva
Os Homens e as Mulheres diferem na sua propensão para lutar e para caçar porque, desde os tempos mais recuados, os primeiros tiveram de competir entre si pelo acesso a companheiras e, portanto, desenvolveram uma Psicologia Agressiva, tornando-se assim mais inclinados para aceitar riscos.

Este facto é corroborado por Estudos Estatísticos, os quais mostram que, em todas as sociedades do mundo, os Homens (em particular os jovens) têm maior probabilidades de morrer em consequência de acidente ou de actos de violência.

Os Psicólogos - Martin Daly e Margo Wilson - em análise profunda, documentaram as diferenças sexuais na ocorrência de Homicídios, revelando então que estes são cometidos, na sua esmagadora maioria, por homens contra homens, nos Estados Unidos, na Austrália, na Europa e na Índia; e aliás também entre 3 grupos de índios da América do Norte e da América do Sul, assim como em 8 tribos africanas.

O resultado foi este: o homem tem mais apetência para matar. É cruel, de facto, mas assim é: O homem colhe vida, enquanto a mulher cria vida, dá vida, mas há excepções...

O que se tem observado ao longo da História da Humanidade é que, em contrapartida, as mulheres proporcionam a grande maioria dos cuidados, da protecção e da alimentação diária das crianças e, para o fazerem de forma eficaz, precisam de ter acesso seguro a alimentação e abrigo, tanto para elas - no período da gravidez e do aleitamento - como para as crianças, após o desmame.

Assim, no no longo decurso do Tempo Evolutivo, os homens proporcionaram às mulheres estes recursos críticos em troca de acesso sexual e de paternidade.

Por este motivo, um dos factores devido aos quais os homens entram em competição uns com os outros, é essencialmente pelo controlo dos recursos que as mulheres desejam (ainda que o não admitam), sendo que, estas por seu lado, desenvolveram uma propensão psicológica para avaliar e, escolher os parceiros, de acordo com a sua capacidade de obter esses recursos.

Num estudo inter-cultural de 37 sociedades, realizado há algumas décadas pelo psicólogo, David Buss, a conclusão foi a de que, as mulheres dão muito mais valor do que os homens à Riqueza e, ao Estatuto Elevado (o tal status quo endémico na grande massa humana...) do potencial companheiro/a.

Contudo, o legado das Diferenças Psicológicas e Comportamentais que ambos os sexos/géneros herdaram, não necessita de ser encarado como imutável, pois, à medida que vamos compreendendo melhor as circunstâncias ambientais que moldaram essas diferenças ao longo de milhares de gerações, ficamos mais bem preparados para julgar da sua adequação no nosso mundo em rápida mutação.

E esta, está bem à vista nos tempos modernos que atravessamos em equidade do sistema e da sociedade moderna em que nos encontramos. Oxalá se não regrida nesse e noutros pontos...


Resultado de imagem para adn extraterrestre
Homens e Mulheres: o ser humano e o seu ADN/AXN ou em sigla inglesa (DNA/XNA). Iguais ou diferentes às outras formas de vida no Universo...? Seremos todos iguais mas simultânea e confusamente todos diferentes em termos biológicos ou outros...???

Em Busca do gene perdido (ou escondido de nós, humanos...)
Não sei se se justifica ou não aqui complementar este texto com mais uma achega exo-política ou extraterritorial - libertinária e não sectária - sobre outros seres, outros comportamentos, não sei, sinceramente não sei. Mas penso ter o dever de aqui o mencionar em nomenclatura providencial e talvez geracional de tudo o que nos viu nascer e verá morrer.

Somos da Terra e somos das estrelas. Somos seres humanos, de uma civilização milenar e não sabemos ainda quem nos criou, fabricou ou timbrou em código de barras divino ou cósmico, perante tantas e tantas descobertas científicas e astrofísicas, teorizadas umas e mais específicas outras; daquelas que tocamos com a ponte dos dedos e sentimo-lo. Mas também o que se não sente fisicamente, a alma colhe em pureza de entendimento e, compreensão, além o que nos edificou um dia... e isso, jamais o esqueceremos. Nem podemos.

Somos ADN e tanto mais. Descodificado o Código Genético queremos mais, muito mais e acabamos por descobri-lo; por vezes sem o querermos ou nada termos feito para isso, reconhece-se. Mas há obreiros que o desmistificam: Os Cientistas, os investigadores de todas as áreas, de todos os sectores de actividade ou simplesmente dos que se preocupam em saber mais, atingir mais, como a descoberta inacreditável dessa maravilhosa hélice de ADN humano.

Imagem relacionada
O nosso ADN terrestre é de origem alienígena. Será...? A Herança Genética: mais do que ADN (ou a dissecação total sobre o genoma humano), será antes a fórmula exacta que nos deu vida através de todas estas descobertas - agora sanáveis ou irrefutáveis de serem contra-argumentadas sob o poder da criação, da concepção ou de toda a vida no Cosmos...?! Mas teremos disso a absoluta certeza???

Será a religião incompatível?
Onde fica a religião, a fé, e todos os interesses que povoam a Terra, do inexplicável ao divino, ou, de um Deus maior que todos temos em nós...?! Que tendências se fabricarão a partir do momento em que a História e a Ciência sejam reinventadas, recontadas ou reassumidas mas numa nova cultura extraterrestre, exo-planetária ou cósmica que nada nem ninguém - nem mesmo Deus, esse mesmo Deus de todos ou de nenhum de nós - se verá e ouvirá sem que o sintamos dentro de nós?!

Os Grandes Profetas da Terra sabiam-no. E deram-no a conhecer; pena que o não tivéssemos ouvido e saber reconhecer, mesmo actualmente, nas grandes descobertas destes novos tempos de visionários e homens da Ciência que tudo apelam, que tudo exemplificam, ainda que outros tantos os não ouçam continuadamente por ignorância, casmurrice ou simplesmente medo do que se desconhece...

A Ciência em descoberta
Os cientistas afirmam-no. E nós, público em geral (uns mais lúcidos do que outros, outros mais espertos e ainda outros mais atentos, por outros que sempre o negarão do berço à cova), o ADN que nos identifica e constitui como seres humanos que somos, ser - efectivamente - de origem extraplanetária/extraterrestre/ alienígena ou outra coisa qualquer desconhecida...

Este mesmo ADN que resume e fortifica - no saber e na certeza - de haver mais por saber, de haver mais por conquistar em sapiente vertente de largo e doce caudal, tal como um rio... (ultimamente, a descoberta do AXN, algo completamente inesperado ou inusitado, descoberto pelos cientistas mundiais nas experiências diversificadas sobre análogos de ácidos nucleicos, reconhecendo-se a existência de outros genes alternativos na transmissão de genes e sua descendência).

Ou ainda, do tal gene-lixo («junk-DNA), que anteriormente o professor/doutor Sam Chang - um dos responsáveis pelo Projecto Genoma Humano - veio a admitir na existência de um gene alienígena ou que confirmam a existência de ADN extraterrestre no ADN humano.

Algo que foi consumado do «Código-master» e código base, pelo que os cientistas do Projecto Genoma Humano descobriram (que 97% das chamadas sequências não-codificadas do ADN humano, correspondiam a uma porção de herança genética provenientes de formas de vida extraterrestre); e estas sequências serem apenas o Código Genético de formas de vida extraterrestre.

Chang assevera com toda a certeza: «Existe de facto material genético que não é terreno!». Quem somos nós para o contrariar e a toda a sua prestigiada equipa envolvida no Projecto Genoma Humano...?!

Algo corroborado também pelo Físico e Astrobiologista da Universidade do Cazaquistão que estuda esta temática do genoma humano - Vladimir  I. Shcherbak - assim como Maxim A. Makurov, do Instituto de Astrofísica Fesenkov que defendem acérrima e factualmente tratar-se de uma mensagem extraterrestre inserida (e escondida até aí, ao conhecimento humano) no ADN Humano!

Resultado de imagem para adn extraterrestre
Somos homens e mulheres, crianças e velhos, fetos em gestação e, além de tudo o mais, uma espécie civilizacional e, racional, que tem inteligência, brio, mas também violência; nada a fazer se na corrente sanguínea, se no nosso ADN (terrestre e alienígena) nos correr nas veias o bem e o mal para todo o sempre... o que se lamenta mas nada se evita para tal não suceder além os tempos...

Quem fala Verdade???
Existem posições extremadas (e antagónicas) dos que defendem a criação da Humanidade em homens e mulheres adultos a partir dos símios, dos primeiros primatas, dos primeiros hominídeos ou, ainda, de Adão e Eva, na mais pura criação de Deus como já se pronunciou no início do texto; mas outras ainda vinculam a permanente e insidiosa mão estelar em manipulação e alta engenharia genética - continuadamente evolutiva - por parte dos seres estelares do Cosmos. Tudo isto é muito polémico, sem dúvida.

O Homem vive na corda bamba antropológica de se ver nado e, criado, sob os elevados auspícios embrionários - ignotos ainda - sobre a sua verdadeira origem.
A capacidade que o ser humano tem de se reinventar, de se reorganizar e fazer reagrupar em novas ideias, novas concepções ou mesmo novas sociedades futuras que o estimem  e, estimulem, fará dos homens e mulheres da Terra algo a pontificar e não rasurar - sob também outros comportamentos que não outros princípios de respeitar o seu chão e o seu Céu, para sempre, na Terra.

Não se renega quem nos viu nascer e muito menos se nega quem nos verá morrer, amparando na incerteza dessa outra luz luminescente que um dia iremos encontrar, segundo dizem os mais experienciados naqueles termos e vivicissitudes do «quase-morte» Até lá, somos os projectos fetais ainda de longa gestação e, longa duração, até que as forças nos deixem e a alma de nós se aparta do corpo físico... para caminharmos ou voarmos para mais longe.

Resultado de imagem para adn extraterrestre
Antigos Astronautas, os nossos engenheiros genéticos ou, na razoabilidade de todas as hipóteses, os homens e mulheres que vieram do Futuro em tempo-espaço extra-dimensional, em wormhole ou vórtice aberto dentro da matéria escura, longe de qualquer buraco negro, longe de qualquer colisão galáctica, só para nos presentear com a continuidade da Humanidade...???

O Futuro a Deus pertence, a Deus se existir ou, a todo o Universo...
O Planeamento, a Conjectura e a Fortificação são elementares nesta dinâmica ancestral - e provavelmente estelar de um só Deus-Uno (quem o saberá...?) do que nos faz hoje ser Homens e Mulheres com destino final igual (na morte física), com objectos iguais ou diferentes (na vida corrente) - semelhantes ou nem por isso. Mas, completos ou incompletos na grande escalada de vida cósmica ou agenda celestial dessa força incomensurável de Deus ou do Universo, que acreditamos na infinidade de todas as coisas. Só assim tudo isto faz sentido.

Não somos simples mortais; somos o que o pensamento nos deixar ser e aonde nos levar; em consciência e benemerência de termos pisado este mundo terrestre com a mesma alegria que não agonia, de o deixarmos finalmente e, fisicamente.

Ainda há tanto que nos é desconhecido, que nos não é entendido por outro tanto que nos é resguardado e até amaldiçoado se não soubermos conviver com essas caixas de Pandora omissas e tão iníquas quanto as almas negras, ou fingidas carpideiras, cobertas de pranto e lamentos.

Tanto que ainda temos para dizer e para fazer, nós - Humanidade -  e talvez para lhes mostrarmos, a «eles», sejam eles quem forem (das milhares ou milhões de civilizações estelares e interestelares existentes no Universo) que excedemos as nossas capacidades ou, as que «eles» nos pensaram limitadas e inexequíveis. E tudo ultrapassámos, de outras vontades, outras veleidades, na Terra e fora dela, numa exacerbada e não refreada autonomia, própria de quem pensa por si.

Sem iniquidades ou carência de nobreza de vis actos, actos impuros - e não correspondentes ao que provavelmente «eles» esperam de nós - sejamos em legitimidade terrestre o que de nós o Cosmos espera, pois que haverá mais «géneros» certamente por esse Universo fora ou Outras Almas por aí...